Emprego preocupa deputado Paulinho da Força e Aldo Rebelo

O desemprego tem aumentado de maneira assustadora em todo Brasil. No total, são mais de 13 milhões de pessoas sem empregos. Essa realidade tem preocupado bastante o presidente da Força Sindical e deputado federal, Paulinho
da Força, e o pré-candidato a presidente da República, Aldo Rebelo. De acordo com Paulinho da Força, o momento é
muito difícil no país. “Cada ano que passa, o Brasil tem menos pessoas trabalhando com carteira assinada. O
país tinha 45 milhões de trabalhadores formalizados com carteira assinada, agora,  esse número caiu para
32 milhões e a tendência é reduzir ainda mais”, constatou o deputado. 13 milhões de desempregados – Já o pré-candidato à Presidência da República pelo Solidariedade, Aldo Rebelo, destacou os números alarmantes do desemprego no país. “As taxas de desemprego aumentaram muito. São 13 milhões de brasileiros fora
do mercado de trabalho. E não é só isso, as desigualdades sociais aumentaram e os direitos democráticos são
desrespeitados diariamente. Temos um grande desafio pela frente”, afirmou Aldo Rebelo. Para ele, o próximo governo terá como principal meta a retomada do crescimento econômico do país. “Sem isso, não há como enfrentar
a questão do desemprego. Não há como, sequer, garantir que os direitos sociais sejam respeitados. Gerar
emprego é uma obrigação moral de quem governar este País”, ressaltou. Preocupações- Além da luta pelo emprego, outras demandas foram destacadas, como a criação de programas que visem o crescimento econômico do
Brasil, programas que gerem emprego e de redução dos juros. O deputado federal Paulinho da Força destacou:
“No ano passado barramos  a reforma da Previdência e temos de ficar alertas se voltarem a insistir neste
malfeito. Esta reforma trabalhista nefasta que está aí e que retira direitos dos trabalhadores, contrariando
nossos intensos protestos, passou, mas não paramos de lutar para que ela seja modificada em todos os
pontos que penalizam os trabalhadores. Nossa luta é árdua, mas dela não podemos desistir!”.