Diretor de cena elogia participantes e público

Em entrevista concedida ao Jornal O Progresso, o diretor de cena da Encenação da Paixão de Cristo na Paróquia São João Batista, Cássio Dom, que trabalha como voluntário na paróquia como salmista e também é ministro de eucaristia, fez uma avaliação positiva dos participantes e consequentemente do público que compareceu e prestigiou o evento na noite de sexta-feira, dia 19 de abril. Confira as perguntas e respostas abaixo:

Progresso: Qual a sua avaliação da Encenação da Paixão de Cristo?
Cássio Dom: Nós temos sempre a intenção de melhorar a encenação, nos figurinos, na decoração, nas
expressões, em detalhes que o próprio Padre pede que se acrescente. Porém na minha avaliação
eu fi co tranquilo de dizer que esta encenação foi muito bem vivida, e sendo bem vivida pelos fiéis que nela trabalharam foi maravilhosamente  transmitida. Isso se deu também graças a toda uma programação feita pela paróquia dentro do tempo quaresmal. Sem experimentar esse tempo
de reflexão tudo poderia ser muito mais difícil. Tivemos dificuldades, rezamos muito na intenção da
encenação para que tudo fosse primeiro conforme é no céu e depois se realizasse aqui. Creio que assim se fez a vontade de Deus. Todos quantos nos ajudaram de alguma forma, foram essenciais para que
Deus realizasse através de nós essa Encenação da Paixão de Cristo. Insisto que cada pessoa no tanto que se doou foi surpreendida como eu ao ver como a encenação ficou bonita.
Progresso: A que fatores você credencia o sucesso do evento?
Cássio Dom: Quero poder usar desse questionamento pra partilhar algo muito pessoal e que pra
mim é a essência dessa encenação. Recordo que o Padre Adailson nos falava em uma homilia sobre
São Francisco de Assis e de um testemunho sobre o Santo que dizia, que São Francisco que atraiu, atrai
e atrairá muitos homens e mulheres, de todas as idades e culturas, a uma profissão de amor a Jesus Cristo, que se resume a um convite: O amor não é amado, por isso vamos amar o amor!
Esse convite de São Francisco está no coração de todos que participaram dessa encenação. Mesmo que eu não conheça tão mais de perto a todos da encenação, mas eu sei que no fundo eles só estavam ali porque querem que o Amor que é o próprio JESUS seja amado.
Progresso: O que representou para você e a comunidade esta realização, pelos pontos de vistas religioso e cultural da apresentação?
Cássio Dom: A encenação só pode se dar diante do consentimento e acompanhamento do Padre e claro
do “sim” da comunidade. E tendo total apoio do Padre Adailson a comunidade pode experimentar em cenas o que Jesus fez por nós, por nos amar como ninguém nos amará neste mundo. Estando ali e percorrendo todo trajeto da encenação percebo que as pessoas desejavam estar ali, e deixar seus corações experimentarem o calvário de Jesus, as dores de sua Mãe Maria Santíssima, diante de
situações que mexem com cada um, justamente porque cada pessoa ali, carrega sua cruz diariamente e precisa da força (que é Jesus carregando a Cruz) que os ajuda, e que passa bem diante dos olhos deles levando a Cruz, falando com eles em tudo. No mundo, hoje vivemos cada vez mais o ceticismo e quanto mais a humanidade é cética mais ela sofre. Às vezes escuto muito de pessoas que elas se acostumaram
a ser do jeito que são, mas não conseguem dizer se são felizes ou infelizes. Nós não fomos criados pra acostumar com estado de vida só de dor e sofrimento, Deus nos quer felizes. No religioso que vai e frequenta uma Quaresma toda programada e assiste uma encenação eu creio lhe ser dado em graça a consciência de que fomos salvos por um amor que é humilhado, chicoteado, pregado nas mãos e pés e tem seu lado transpassado por  uma lança onde tudo culmina na sua ressurreição, nos dizendo que é preciso se RELIGAR A DEUS A PARTIR DA CRUZ PARA VIVER BEM A VIDA. Não sei se poderia dizer
que tudo o que vivemos nestes dias seria uma questão de cultura, porque vejo na cultura muito do que o
tempo permite ao homem escolher e que muitas vezes escolhe errado. Acredito que Ituverava nas suas
duas paróquias tem hoje a condição, onde diferente da cultura, viver a FÉ NO DEUS QUE MORREU E
RESSUCITOU POR NÓS.

 Progresso: Seus agradecimentos e considerações finais…
Cássio Dom: Quero agradecer primeiramente a Deus por permitir que eu esteja diante dele e dos seus sacramentos. O que me faz um homem feliz. Depois agradecer por todos os sacerdotes que já passaram
por Ituverava e muito fizeram pelo nosso povo, hoje principalmente pelo Padre Adailson da São João Batista e também Padre Carlos e Padre Luan da Paróquia Nossa Senhora do Carmo. A todos que nos patrocinaram e acreditaram nesses trabalhos da Igreja, àqueles que construíram e que confeccionaram
algo para a encenação, aos que rezaram para que ela acontecesse, e é claro a todos os participantes
tanto os que “encenaram” quanto àqueles que foram prestigiar esse momento da nossa fé.